domingo, 24 de março de 2013

CASA DA MEMÓRIA DE ARARAS

 EDUCANDÁRIO BENEDITA NOGUEIRA

No dia 21 de março de 1921, era noticiado, em Portugal, na cidade de Lisboa, o falecimento da sra. Benedita Galvão de Melo Nogueira, nascida em Araras, da família Alves Camargo, e casada com o médico Dr. João Ferreira de Mello Nogueira, que aqui clinicou por vários anos, atuando também como vereador à Câmara Municipal, durante três legislaturas (1883-1900).

Cinco anos mais tarde, passou-se a se preparar a instalação desse Asilo, no antigo Solar de Dª Benedita Nogueira, em terreno que ocupava a quadra compreendida pelo canto da Praça Barão de Araras, a Rua Sete de Setembro, Rua Júlio Mesquita e a Rua que passou a denominar-se dª Benedita Nogueira.

No dia 20 de dezembro de 1926, o provedor Antonio Pádua Telles, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, enviava ao prefeito municipal de Araras, sr. Antonio Alfredo Matthiesen, ofício respondendo a sua consulta, escusando se de conceder o nome de Asilo Dona Benedita Nogueira à instituição filantrópica que se estava em Araras, por doação testamentária da benemérita ararense, explicando que um dispositivo testamentário determinava que a denominação fosse a de “Asilo Santo Antonio para Órfãs”.

O testamento de Benedita Nogueira determinava ainda que: Este Asilo denominar-se-á Asilo Santo Antonio para Órfãs” e que, “no mesmo Asilo será colocado o meu quadro representando a imagem do ECCE HOMO que está no escritório de minha casa em São João do Estoril (Portugal), que será exposto à veneração das asiladas”.

Não sabemos se este quadro chegou a vir de Portugal para Araras, conforme desejo da doadora. Teria ele, hoje, um valor histórico muito grande, destinado a figurar como peça rara no Museus Histórico que se projeta.

O documento testamentário concluía por desejar “que as educandas que receberem abrigo e proteção neste Asilo, que instituo por muito amor a Dês, sejam educadas com sentimentos, como eu sempre, toda a minha vida professei, que lhes ensinem a religião do devedor, amando a Dês sobre todas as coisas e, ao próximo, como a nós mesmos, e que elas na sua vida sigam sempre o caminho da virtude”.

A inauguração do Educandário, ou melhor, do Asilo Santo Antonio para Órfãs, aconteceu no dia 28 de dezembro de 1929, com as presenças de destacados membros da Mesa da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que, por essa ocasião, era integrada por destacadas personalidades paulistas, entre as quais se encontravam o Dr. Washington Luiz Pereira de Souza, presidente do Estado, Dr. Antonio Pádua Salles provedor, Augusto de Meirelles Reis, Jayme Loureiro Martins Costa, Plínio Barreto, Alberto da Silva e Souza, João Maurício de Sampaio Vianna, José dos Santos Azevedo, Alberto de Menezes Borba, Horácio Spindola, José Carlos de Macedo Soares, Roberto Simonsen, Numa de Oliveira, Antonio de Lacerda Franco, Manoel Afonso Marques Martins Costa, Reynaldo Porchat, Cantídio de Moura Campos, Olympio Portugal, Sinésio Rangel Pestana, Carlos Leôncio de Magalhães e o bispo Diocesano Dom Barreto.

Os estatutos da nova entidade filantrópica foram elaborados pelos srs. Plínio Barreto e J.C.Macedo Soares, ficando a sua direção entregue às Madre Missionárias Lúcia de Jesus Crucificado, Delmira de Santa Cruz, Francisca das Cinco Chagas, Maria do Espírito Santo, Lídia de Santa Rosa de Lima e Cândida de São José.

Pesquisas e redação de Nelson Martins de Almeida
postagem - Inajá Martins de Almeida
______________________________________


04.04.1948 - Jornal Tribuna do Povo - O sargento Palma, comandante do destacamento local, escreve ao jornalista Nelson Martins de Almeida: 

"Tenho acompanhado os vossos escritos em a "Tribuna do Povo", principalmente sobre o que diz respeito ao interesse da nossa terra. 

Gostei do último artigo, referente às Instituições de Utilidade Pública de Araras. 

Dentre as instituições de Caridade existentes em Araras, está, em primeiro lugar o Asilo Santo Antonio para Órfãos, porque olhar pela infância de hoje é amparar a velhice de amanhã. 

Senhor Jornalista "Asilo para Órfãos" -   com um nome desses, hoje em dia não se faz mais caridade. A criança, nele abrigada, cresce e... cresce também nela, o complexo de inferioridade, que não a largará pelo resto de sua vida. De quem a culpa ? Dela? Não! Nossa? Sim!...

Porquê não trocar para "Casa das Meninas"; "Lar das Meninas"; "Lar das Moças"; "Casa das Crianças" ou "Abrigo Dona Fulana". Esse terrível "Asilo". Trocar o nome atual de "Asilo por um mais brando é nossa obrigação.

Conheço diversas ex-internadas. Já apreciei o que de belo aprenderam e aprenderam naquela Casa de Caridade. Tem elas vexame em dizer que foram criadas num "Asilo". Por quê? Porque são meninas-moças e desejam poder dizer como as outras, que foram educadas nesta ou naquela Escola. Sem ideia de esmoleres, de caridade pública, ou de desprotegidas da sorte, que não tiveram pais. 

Sr. Nelson Martins de Almeida, aí fica a mina sugestão. Que ela frutifique na vossa pena, como árvore benfazeja e boa, ou que cresça na vossa mente tal qual agudos e dolorosos espinhos. São os meus desejos" - (a) Sargento Palma" 

Atendendo ao apelo do sargento Palma, e o fizemos julgando das mais justas a sua explanação. Sua carta a transcrevemos com comentários em a "Tribuna do Povo". Nossa parte foi feita; mudou-se o nome do Asilo, que passou a ostentar a denominação "Educandário Dona Benedita Nogueira".

__________________________________   


21/04/2010 

Solar Benedita Nogueira abrigará Casa da Memória
Primeira reunião aconteceu na manhã da última quarta-feira (21), no gabinete do prefeito

A cidade de Araras terá em breve mais um espaço cultural, trata-se da Casa da Memória, local onde serão destacados fatos históricos do município. Esta primeira reunião, que aconteceu na manhã da última quarta-feira (21/04/2010), envolveu representantes do Poder Público e da sociedade.
A Casa da Memória, que será uma espécie de museu, vai ser instalada no Solar Benedita Nogueira...  acompanhe toda a matéria 
_____________________________

19/09/2011  
Comissão vai definir acervo que fará parte da Casa da Memória
A Casa da Memória, espécie de museu que será instalado no Solar Benedita Nogueira, já começou a ganhar forma. Historiadores e pessoas ligadas ao patrimônio público do município estão se reunindo para discutir o acervo que será exposto do museu.

Criação do grupo foi discutida durante reunião entre membros nomeados para acompanhar a implantação do local, Poder Público e integrantes da Arquipron...

Segundo o secretário municipal de Planejamento, Gestão e Mobilidade, Felipe Dezotti Beloto, o encontro serviu para apresentar essa possibilidade aos historiadores e pessoas ligadas ao patrimônio público do município... acompanhe toda a matéria


_____________________________


16/11/2011
Munícipe doa livro histórico para o acervo da Casa da Memória

Aposentado Élio Arruda entregou a obra “Álbum de Araras” ao prefeito Dr. Nelson Dimas Brambilla.
O prefeito Dr. Nelson Dimas Brambilla recebeu a doação de um material histórico para o acervo da Casa da Memória. O livro “Álbum de Araras” – 1862/1949, escrito por Nelson Martins de Almeida com a colaboração do jornalista Mamede de Souza, foi entregue pelo aposentado Élio Arruda... acompanhe toda a matéria... 

_____________________________

02/03/2012

Casa da Memória será implantada por meio da Lei Rouanet
Projeto encaminhado ao Ministério da Cultura foi aprovado; Prefeitura poderá captar recursos junto a empresas.
Graças aos esforços da Secretaria de Ação Cultural e Cidadania, da Secretaria Municipal de Planejamento, Gestão e Mobilidade, de um grupo de historiadores e membros da comissão formada por integrantes indicados pelo poder público, a implantação da Casa da Memória, no Solar Benedita Nogueira, será viabilizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, mais conhecida como Lei Rouanet.
O acervo que ficará disponível no espaço está sendo definido por membros de comissão nomeada pelo prefeito Dr. Brambilla. A comissão é composta pelos secretários Felipe Beloto (Planejamento, Gestão e Mobilidade), Milton José Triano (Segurança Pública e Defesa Civil) e Marcelo Daniel (Ação Cultural e Cidadania), além de João Ferreira, João de Melo, Antônio N. Inocente, Pedro Pessoto Filho, Cárita Rosalin, Luis Della Coletta e também os historiadores Alcyr Mathiesen, Tadeu Viganó, Wenilton Daltro e José Carlos Victorello.... acompanhe toda a matéria

_____________________________

12/03/2013 
Começa pesquisa para formação do acervo da Casa da Memória
Pesquisadores da empresa Arquiprom, responsável pela instalação do local, vão realizar levantamento de dados históricos e coleta do material que ficará em exposição.
O início dos trabalhos de pesquisa foi discutido em reunião realizada na última terça-feira (12/03/2013), no Centro Cultural “Leny de Oliveira Zurita”. O encontro contou com a presença do prefeito Nelson Dimas Brambilla, dos secretários Felipe Beloto (Planejamento, Gestão e Mobilidade) e Marcelo Daniel (Ação Cultural e Cidadania), além dos membros da comissão responsável pela escolha do acervo Milton Triano, João de Melo, Antônio N. Inocente, Pedro Pessoto Filho, Cárita Rosalin, Wenilton Daltro, Inajá Martins de Almeida, Matilde Viganó, Alcyr Mathiesen e José Carlos Victorello.
Espécie de museu que preservará a história do município, a Casa da Memória será instalada no Solar Benedita Nogueira, no Calçadão “Monsenhor Quércia” e contará com salas para apresentação de workshop, estudo e pesquisas. O acervo coletado durante a pesquisa documental será digitalizado e poderá ser acessado no local de forma interativa. O público poderá ouvir depoimentos e assistir aos vídeos, resultado das entrevistas e pesquisa documental...       acompanhe toda matéria

_____________________________

ARARAS 142 ANOS DE EMANCIPAÇÃO - 24/03/2013

“A Casa da Memória terá como objetivo resgatar e preservar a memória de Araras e disponibilizar isso para o público, de forma digitalizada e organizada para pesquisa”, declarou o secretário de Ação Cultural e Cidadania Marcelo Daniel, o Mussa. 


Parabéns pela belíssima reportagem. A memória sim deve ser resgatada. Perpetuada. Eu como filha de historiador posso afirmar a importância dessa iniciativa. No bloghttp://nelsonmartinsdealmeida.blogspot.com.br/ capturei algumas informações e ali as registrei.
Abraços / Inajá Martins de Almeida




Os espaços voltados ao lazer e cultura sempre foram reivindicados pela população de Araras ... Após a implantação da Casa da Memória no prédio do Solar Benedita Nogueira, e a restauração do antigo Cine Santa Helena, juntamente com a Casa da Cultura já existente na praça Barão de Araras, a ideia da administração municipal é transformar a região num conjunto de edificações direcionadas à promoção de atividades e eventos culturais... acompanhe a matéria...


Parabéns pela iniciativa de resgatar tão magnífico patrimônio ararense.
Meu pai, historiador Nelson Martins de Almeida – falecido ano passado aos 94 anos – estaria compartilhando o brilhantismo desse empreendimento político cultural e histórico.
No blog http://nelsonmartinsdealmeida.blogspot.com.br/ faço menção ao aludido nesse veículo informacional.
Parabéns duplamente : pelo aniversário da cidade e pelas reportagens.
Inajá Martins de Almeida




Tribuna do Povo - 12/03/2013

A comissão que auxilia a Prefeitura na implantação da Casa da Memória, um museu com acervo sobre a história de Araras e que vai funcionar no Solar Benedita Nogueira, se reúne hoje, terça, para discutir a implantação do espaço museológico...continue em


Álbum de Araras - Nelson Martins de Almeida, 1948
clique sobre a imagem
_________________________

Matérias:


__________________________

20.08.2017 - Casa da Memória Araras, SP, colhe depoimentos de moradores










quinta-feira, 21 de março de 2013

TEATRO ESTADUAL DE ARARAS - FRANCISCO PAULO RUSSO


Teatro Estadual de Araras Maestro Francisco Paulo Russo
clique sobre a imagem


Oscar Niemeyer


"Trata-se de um teatro de porte médio elaborado dentro da técnica mais apurada. Para isso organizamos nossa equipe: Hélio Penteado, Hélio Pasta e eu na arquitetura; Promon nos problemas estruturais; Nepomuceno na acústica, Mingrone na luminotécnica; Ripper na cenotécnica; Luís Fernando na ventilação e ar-condicionado; e Afonso Assump
ção no controle diário dos problemas arquitetônicos da construção. matéria em...

____________________________


LOCALIZAÇÃO:

Av. Dona Renata, 401 – Araras
CEP 13600-001

Telefone: (19) 3541-5969 – Fax







_______________________
pesquisa, captura e montagem de imagens, postagem por Inajá Martins de Almeida

quarta-feira, 20 de março de 2013

GALERIA DE OBRAS DE NELSON MARTINS DE ALMEIDA

Em 19 de março de 2013 Nelson Martins de Almeida completaria 95 anos. 
Em maio de 2012 deixava seu legado histórico e biográfico para as gerações vindouras.
A esta sua filha coube resgatar parte de uma vida entre linhas e fatos históricos.
A página traz algumas obras da sua produção.

clique sobre a imagem


Nos idos de 1918 Alfredo Martins de Almeida, avô desta que registra, prestava serviços como Contador (Guarda Livros - termo da época) ocasião em que a esposa Aida Colavisa de Almeida (avó), agracia-lhe com o filho Nelson.

Criança ainda, Nelson acompanha os pais para a capital paulista, onde inicia seus estudos, afastando-se desta feita da cidade natal.

O tempo passa a ser contado. Jovem, estudando, trabalhando, vê o destino aproximar aquela que iria tecer pontos para  retornar às suas memórias, jamais apartadas do seus retalhos de infância na fazenda Campo Alto.

A jovem, Dalila,  da família ararense Salviatto, em férias na casa do tio paterno Primo Salviatto, encontra-se com o rapaz Nelson. 

Início da década de 40 - ano 1941 - o encontro.  O casamento aconteceria em 1944, marco este que se perpetuaria numa longa e frutífera união contada em seis décadas. Sessenta anos. Mais poderiam ser agregados, não fora o desenlace desta em 2004.

Aquela bela jovem - Dalila Salviatto de Almeida - pode então compactuar como cúmplice entre lãs, linhas e livros, como esta filha costuma registrar.

Dalila - artesã das lãs. Nelson - artesão das linhas, dos fatos históricos registrados nas obras que se contam em dezenas. Inajá - a filha - não há como negar: artesã das linhas, das linhas e dos livros.     
__________________________

  • 1946 - O FORASTEIRO
Edição única sobre a arquitetura de Santos, em fotos. Prédios, casas suntuosas. Eram os idos de 1946.  
  • 1948 - ÁLBUM DE ARARAS



Salvador Baggio Jr., Nelson Martins de Almeida, Arnando Russo e Américo Venâncio Padula

Usina Palmeiras - cidade de Araras/SP - 1949

foto do arquivo particular do prof. Wenilton Daltro
captura, tratamento imagem e postagem: Inajá Martins de Almeida
foto enviada via facebook - São Carlos - 20/3/2013
__________________________


  • 1948 - ÁLBUM DE ARARAQUARA 


A elaboração de um trabalho dessa natureza, geralmente denominado “álbum” ou “almanaque”, que era muito comum no passado ( muito embora Araraquara só tenha editado dois, este e aquele de 1.915) objetivava traçar um retrato do momento de sua edição, no que diz respeito às autoridades constituídas, vida política, produção rural, comercial e industrial. Era comum também reviver a história, publicar crônicas, poemas, acrósticos, refletindo a evolução cultural. Este álbum de 1.948 não foge à regra e, assim, apresenta um quadro bastante completo e favorável dessa Araraquara de meados do século XX. 

AUTOR: Nelson Martins de Almeida , redator-produtor do “Álbum de Araraquara”, edição de 1.948, nasceu a 19 de março de 1918, em Araras-SP, na Fazenda Campo Alto, sendo criado em S.Paulo, onde estudou comércio, publicidade, taquigrafia e jornalismo. Aos 19 anos, prestou serviço militar na Aeronáutica, no Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro, saindo em outubro de 1938. Foi taquígrafo da Associação Paulista de Medicina e trabalhou em outras empresas. Organizou e publicou várias revistas de engenharia e arquitetura. Chegou a Araraquara em julho de 1.947, com plano de estudar e escrever o histórico da cidade.

  • 1951 - ÁLBUM DE RIO CLARO








  • 1952 - ISTO É SÃO CAETANO DO SUL 



  • 1953 - RETRATOS ARARAS ANTIGA




  • 1953 - MUNICIPALIDADES PAULISTAS 


  • 1954 - ELES CONSTRUÍRAM A GRANDEZA DE SÃO PAULO

ALMEIDA, N. MARTINS; Eles Construiram a Grandeza de São Paulo - in memeorian; 1a. Ed.,Ed.Soc.Brasileira de Expansão Comercial Ltda,SP,1954,V.1,318p
Biblioteca do Departamento do Patrimônio Histórico da Secretaria Municipal de Cultura do Município de São Paulo. 
Hemeroteca da Sessão de Documentação Jornalística do Departamento de Documentação e Informação da Câmara Municipal de São Paulo.
Sistema de Informação ao Cidadão da Biblioteca Municipal Mário de Andrade.





  • KORYBUT-WORONIECK, Jan. Eles construiram a grandeza de São Paulo (in memoriam). São Paulo: Sociedade Brasileira de Expansão Comercial, 1954. 317 p.


OBS:-
  • As informações foram encontradas através da internet. 
  • A obra fora editada em parceria Nelson Martins de Almeida e Jan Korybut-Woronieck
  • A obra pode ser consultada na Biblioteca Municipal Mário de Andrade - segundo informações encontradas nesta data 13\04\2013 por esta que escreve - Inajá Martins de Almeida  

  • 1957 - ÁLBUM FUTEBOLÍSTICO DE SÃO PAULO


  • 1957 - CLUBES DO FUTEBOL PAULISTA - v.1


Álbum em capa dura, 300 páginas, ricamente ilustrado. Raro exemplar deste álbum que traz um amplo mapeamento dos clubes de futebol profissionais e amadores da capital paulista. Com a história de suas fundações desde o século XIX.
  • 1958 - NASCE UMA METRÓPOLE - participação 


  • 1959 - GALERIA BIOGRÁFICA PAULISTA


  • 1966 / 1968 - REVISTA DE ARARAS - 12 edições 

REVISTA DE ARARAS - Araras - 1966 / 1968 - doze edições


  • 1968 - ARARAS ADMINISTRAÇÃO Ivan Estevam Zurita


Publicação Prefeitura Municipal de Araras Assessoria de Imprensa - 1968
Coordenação e Redação de Nelson Martins de Almeida


  • 1975 - REVISTA DO REBANHO - edição única


REVISTA DO REBANHO - São Paulo / 1975 - edição única
____________________________

Fotos dos álbuns : Elvio Antunes de Arruda
Montagem e postagem : Inajá Martins de Almeida

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...